quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Distante, a tarde...


Jaz em mim e arde faz-se distante a tarde
Lenta longa lúgubre lícita larga labareda
A agonia do significativo simplório dia
E o diuturno antes tão sublime quanto
Definitivo dilui-se na vagarosa desmedida
Despedida mãos invisíveis apontam o
Tracejado viável repudiado descaminho
Sou meu tão seu sou tão sozinho eu
Desfeito o absoluto o nada vagueia
Impoluto célere célebre insuspeito
Longe hoje a tarde fecha-se o cerco
Trôpega caminhada aplaudem as plêiades
O circo das intempéries depauperadas
Incendeiam no crematório da vã e tola
Saudade o exaurido guardião dos tempos
A fuga e a dança a vulgaridade e o afã
Parelhos no horizonte finado azougue
Címbalos mágicos cadenciam a saciedade
Ilícitas imunes indícios inválidos inimagináveis
Solícitos hábeis caçadores de sonhos ciciam
Igualo todas as dúvidas em mim as tardes jazem
E os sótãos e os jardins e as almas empoeiradas
Abre-se pois o chão do alto o amanhã em mim
Sôfregas labaredas lícitas largas lentas lúgubre
Tão ao longe impreciso precioso adeus.


Renata Affonso

Gélida Madrugada


Gélidas mãos madrugada vazia perto do fim
E já não me importo eu destranco propósitos
Assomo o inteiro perdido tolo insano anseio
Mitigando a pena o imperceptível cresce paradoxal
Desaparece tão somente por já não o ser - e mente
Nada que o sempre repare é tanto o nunca mais
E tão indecifrável a longa caminhada solitária viagem
Passos largos desencorajados ainda há metas e um
Sim incerto árido deserto santuário em mim - sim
Trepidante o que piso me guia me arrasta enleva
Devasta assoalhos não valho o que não ganhei
Abstraio extraio de minhas velhas raízes o bom
Quando são gélidas as madrugadas e as mãos vazias
Tão perto do fim aguardam apenas por um sinal
E ele corrupto peregrino d'alma contrasta indiferente
Luta debilmente frustrado adversários enlutados
E minhas tórridas mãos hoje gélidas mãos enluvadas
Curvam-se ante a toda deturpada aceita verdade
Arde nos dissabores o para sempre paraíso perdido
Mas ainda insisto no peito a dúbia entristecida certeza
As carpideiras e os artesãos dos calabouços e um retrato
Celebram cinicamente unem suas muito calamitosas forças
No último ato o dissipar dos véus um desfocado céu e eu
Não sei mais dizer enfim quando deixei de viver em você
Nas insistências e desistências o embriagado destino decide
Incide sobre mim a desarrazoada borrada indigna realidade
Madrugada gélida esperança macerada guerra perdida mentiras
As sepulturas vazias sinalizam novos dias e estradas e ares
É dia e brilha o Sol voo com ele sem rumo ou motivo eu vou
Até outra vez fazer-se noite e eu voltar a ser e só ser só
Mais uma estrela perdida dentro de mim na gélida madrugada
Sem fim. 


Renata Affonso





A vida que eu viveria...


Dentro da escuridão - passos- o que não é sabido em ruínas
Alucina abriga lúcida o cálido repouso passageiro os despojos
Das entranhas dos flácidos anseios a vida hoje estranha corrompe
as manhãs e eu somente antevejo o que jamais inimaginável será
Venha depressa caminhe pelos muros ignore os pesados portões
E quando estiver seja choro seja bela seja a alegria seja a vela
Traga pelas mãos os isolados sobreviventes ao lodo- persistente
Tolo e inconveniente o pesar companhia apesar de contente
Resistente a rosa conserva a pétala a essência o orvalho
A vida um instante entre qualquer intrépido sonho e o despertar
Revela-se inveja-se sua fúria delirante sua doçura instigante
Quando violões solitários divinizam canções nunca ouvidas 
E tantas outras jazem sentidas perdidas num mar de breu
Eu que não quero ser nada sou inteira sou um compasso só meu
Ser a minha obra a minha rotina devaneios escolhas infindas
Estranhas as razões tão distantes das entranhas a vertigem
Dissipando deturpando decidindo desistindo devolvendo
Tudo a mim e outra vez e sempre eu e minhas tristezas
E qualquer sombra de alegria decifro adivinho minha não agonia
E é cedo - ainda - trago num resto de vida toda a vida que eu viveria.

Renata Affonso

Velhas esquinas


É tudo tão só solidão vagueio pelas esquinas caiadas
Inventadas em minh'alma debruço nos desfiladeiros
Corpo inteiro cilada voraz hoje nada resta e tanto faz
Os assoalhos tingidos de vermelho trepidam piso e longe
Ao largo um gemido um não grito um quase lamento
Cântaros de preciosas futilidades e o protesto dos algozes
São eles os contras nos prós das ofensas e das elegias
Hoje o medíocre vazio perambula seu sorriso frouxo
A presunção do infinito escarnece, pois, do próprio medo
Apreço e desassossego desvario nos céus da áspera saudade
Quando o que já foi é tudo que ainda arde e é tão tarde
Espero o caminho insano um fim começando ao meio
Sem ao menos quase tanto dizer a que veio serpenteiam
Nos espelhos a implacável realidade as velhas esquinas
Sombrios tempos momentos sofrimentos que nunca existiram
Longe da sanidade recorro ao ópio da sóbria ilusória verdade
Ergo meu corpo minha voz pode não ser afinal tão tarde
E – ainda que haja um fim - aquele mesmo terminado pelo meio
Resquícios – volto ao início ao meu descaminho desinventado
O que sei o que foi o que virá apenas se ainda sou – já não sei
E não importa entendo tragada pelo abismo atônita resisto
Ainda uma vez mais afastada de mim mares delineam os espectrais
Horizontes sem fim sótãos porões e as inatingíveis torres de marfim
Calada decido ante o espelho sou só e o que vejo avança pelas horas
Horas que não se contam só o pranto derradeiro infiel companheiro
E na esquálida lua o canto do agradecimento recrudesce insistente
Resta pelos cantos das esquinas destruídas uma lágrima mágica
E cínica de arrependimento diluída na toda solidão a dolorosa presença
Ausente a multidão em mim freme esgotam-se as não possibilidades
Em minhas frágeis ambiciosas mãos o meu mundo meu leme
Ressurge a esquina inventada caiada apenas mais um caminho
E milagre reconheço em mim agora somente o que sempre fui 
Eu. E somente eu.


Renata Affonso

Enfim, renascer


Tétricas trajetórias traçadas tragando tropeços tantos
Tanto e a indolência errática  companheira tolero
Sibila a noite trago no semblante lágrimas sem dores
Trajo o desalinho do desencontro aguardado e trago
As marcas as chagas os rumores os esmorecimentos
Calo ante a embriaguez lúcida de toda nudez em mim
Enfim as cálidas orgias traçadas suspiram favores
Calam-se as vozes da razão pois quando loucuras gritam
Resvalo suspeitam os vales quando perder é ganhar o tudo
O que vale e o que invade tão longe das fronteiras do eu
Eu meus sonhos meus grandes desconhecidos amigos
Táticas sabotadas sangrando tácitas tranversas singularidades
E a perplexidade sóbria repudiando o que já não importa
Apenas armadilhas a casa o dia a vida a lida vazia
Vagando imprevisibilidades erros e o insuportável comum
Acertos incertos certamente acertam o alvo o conformado fado
Desfaço minha mala minha alma cala suplicante e só o lamento
Um breve instante o barqueiro o farol as dúvidas lancinantes
E o sortilégio dos amantes frustrados no fundo o medo
Cedo e deduzo há luz somem os alforriados estorvos sentimentos
Solenidades e o não juízo o jugo caído por terra algo sustenido
Julgamento inebriante réu e acusador máscaras vulgares sem pudor 
Nada de valor tudo e nada o céu explode estremece contrariedades
Vagarosamente recolho meu alforje possibilidades e preciosidades
É longe tanto o fim enfim faz-se tarde em mim tão seu – tudo
Lembrando do que não vivi prossigo insisto refém - entregue
Jaz a resistência ofusca a demência para que outra vez – e sempre
O que pode haver de melhor no percurso entre a terra e o céu
Cinzas de uma história qualquer seja o alento o crer para ser
Vertendo dilúvios de sacrílegas vicissitudes - enfim, renascer. 


Renata Affonso

Exílios e Sentenças


Signos bandoleiros horizontes dilacerados
Um passo e o precipício principia dilúvio e cio
Anseio e desvirginada a maldade freme - treme
Blefa relutante uma pausa o não instante 
Ininterrupto deserdar as invisíveis mãos
Tateiam na lasciva escuridão o que foi pó
Hoje só na estrada descrente as brumas
A petulante luminosidade semi-invade
O delírio do espectral faroleiro assoma
Assombra os poucos ainda encantos
Enquanto há os tantos cantos iluminados
Percalços e desacelero de soslaio subtraio
Apenas pensamentos as penas e os livramentos
Faleço infâncias renasço sonhos somente espero
Uma esperança presente tão viva na ausência
Fervilha nos intervalos o dolente laço fugaz
Arremedos de longínquos horizontes dilacerados
Silenciam as vozes as almas porque há tudo a dizer
E é muito e nunca em vão o perecer do que ainda assim
Permanece as paredes igualam as dores guardam saudades
No fim das tardes diuturnamente renasço falecidas infâncias
Livramentos e  penas pensamentos apenas
Exílios e sentenças.

Renata Affonso

E nada para lembrar...


Além do nada eu percebo atônita as multidões
O descaminho trilhado nas incoerências vãs
Suma importância o tudo que eu não sei e sumam
As insanidades e os erros felizmente tornam-se
Sãos e são eles justo na incredibilidade
O que de válido e perceptível ainda há
Em minhas mãos unidas na cética prece
Calúnia da desunidade surpreendente fim
O inexorável me guia usurpa a não alegria
E eu saqueio horizontes inverto invento as pontes
Desassemelho desamparos desamarro desassossegos
Amparo as minhas tantas companhias celebro
Os faróis da monotonia toleram – até quando?
As perversidades as inclemências normas sobrepujadas
A travessia nas conchas decreta a antítese da visibilidade 
Fachadas irreais retratam a não morte imaginária
Guerreiros alados medem forças tilintam os sinos da agonia
Lado e razão em submissão demolindo o dia
Anoitece  horizontes orquestram orgias
Da melancólica sinfonia almas elucidam o dia
Instantes e vilanias regozijos a idiossincrasia
Alados os mestres da hipocrisia decaem 
Ébrios comemoram a derrota de uma vida vazia
Expectantes tropeçam na lida sorriem um instante
A trilha de conchas a paz e a guerrilha
Jazigos e becos existência e o nada
Dentro da manhã clara eu sôfrega ilha
Devaneios e realidade eixos da inconformidade
Incinero as raízes da compreensão e sigo
Delírio e mansidão tortuoso caminho
Resvalo ante a impossibilidade a síntese do anti-perdão
Cegueira coletiva tateio me perco ao me encontrar
Amplidão vertigem virginal doce amanhecer
Reajo viajo divago em devassidões
Súbito é adormecer e suave é enfim despertar
Tudo tão diferente e tudo tão como deveria estar
Eu sou as multidões atônitas buscando apenas
Tenho em mim os esquecimentos de tanto
Do nada que tanto deveria enquanto há
Para lembrar...

Renata Affonso


segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Simulacros





Dias em branco noites aos prantos
Eu desaprendo a viver insistindo
Em viver somente apego o apêlo e tento
Transmuto solidões intento sê-lo e triste
Sou além do muito a mudez da voz tão altiva
Nudez complacente delírio na vastidão contida
Do meu quarto da minha rua da minh'alma invertida
No tudo tão nulo e que ainda assim convém
Servidão rebelde estilhaços devoro temeridades
Nas cidades de aço torres e calabouços esfumaçados
E ao longe ouço tambores de guerra adivinho sinas
Sinais apocalípticos a forca o sino o domo refulge
Foge a luz artificial decide desiste ante o final
O leito em que o profano antes tão irreal ardia
Dos erráticos pântanos ergue-se o derradeiro canto
Degelo desanuviando desavisados dramas e dilúvios
Simulo sorrisos e choros choro as contradições
Lições lembranças lívidas lendas tão ao largo
Espaços e tempos inexistentes vigora o insondável
Inexoravelmente descaminho no escaninho o pranto
As noites findam as nuvens púrpuras retornam ao vazio
No âmago da simplicidade reside existe persiste
A força e os dias são tão brancos, enfim
Mas as noites e os singulares prantos são tantos
Há vida o destino e apreendo no véu do desatino
Silenciando passos desfaço pactos só simulacros
O muito que é desfaz-se e o nada que foi renasce
Perene idolatria o desuso da tirania pálidos resquícios
De lucidez a intransigência e a pressa da vida
Somente desencontros, talvez.

Renata Rothstein 

sábado, 7 de julho de 2012

Fantasmas no Espelho








Perguntas sem respostas conclusões indefinidas e nada hoje faz sentido ou rima
A trajetória afogada afogueada no limbo imagens e explicações - o indisfarçável grita
As bolas de cristal trapaceiam e eu destôo do nada que vem - cumpro minha sina
Eu e os meus eus nos cínicos espelhos joelhos ralados pensamentos trocados
Sem tempo e espaço ou - já não sei - indiferente aos postiços preconceitos
Abstenho-me pois de tolerar inócuas salvações e salvadores tirânicos
Debruçada na torre da demente inexistência observo os mágicos e os salteadores
Ironia companheira constante traz a chave das algemas nas frágeis mãos dos traidores
E tão unos nulos prostrados na sua indignação recolhem suas lágrimas e suas dores
Os amadores castigam a si próprios no afã de tudo o que eu nem quero adivinhar
E é tanto a se desfazer para novamente erguer um castelo de sonhos divinatórios
Oro para que fora de mim eu consiga de alguma forma reencontrar o que sou
Fantasmas no espelho imagino tudo o que vejo e o que vejo hoje é o nada
Eu vou voo liberto minha alma aprisionada que desfalecida agradece ao momento
Incinero minhas tolas convicções e cedo ao apelo abstraio atraio me atiro ao impulso
Derrapando trangressões constato como é sábio ser louco quando o muito é tão pouco
Tampouco demérito o não saltar o fincar raízes perenes que embora não se saiba inexistem
É dia e anjos exigem atenção e a fuga da monotonia é só um caminho e é noite e vampiros sorriem
E tudo o que eu desprezo por si faz-se vazio é longo o desatino da lucidez e eu por minha vez
Transcendo meu pesar simulo genuínos sorrisos engulo com gana meu grito como se não houvera
Em direção ao Sol caminho solitária sob a estranha chuva prateada... mas como há chuva, se já não existe nada?!
Mãos dadas com a impiedosa maravilhosa vida já não me importo em saber  apenas em ser
Além do espaço e do tempo eu ao relento sou, enfim, feliz, eu e o nada, eu e somente a Luz
Eu sei que prosseguir traduz que é chegado o fim do ato - cerram-se  as cortinas enfim para recomeçar o que já vivi.


Renata Rothstein


domingo, 24 de junho de 2012

Amazona Embriagada






Lua incandescente crescente presente 
Você ausente sempre tanto em mim
Como se pudesse ser o início um fim
E assim calçar minhas botas e partir
Sem rumo o rumo é não ter o por quê
Quando as histórias contadas forem
Nada do todo real será desmaterializado
E incrivelmente não fará diferença
Nenhuma e os pormenores latejando
Reivindicando qualquer não direito
Devendo ao direito de orientar uma luz
Flagelos de um caminho despedaçado
O meu mágico violão e seus milagres
Confidências desconexas ganham cor
Qualquer sentido e eu digo não me arrependo
Ou não ligo colhendo as esmolas da noite fria
Vazia a sala vazia a alma minha mala cheia de trapos
De aventuras e discursos e cidades e cantos
Encantos me encanto pelo souvenir tão vil
Pirotécnicas escolhas pilhadas esporadicamente
Somente o inútil grito sufocado na madrugada 
Mãos calejadas unhas quebradas cansaço e solidão
Traga-me uma árvore da vida farei uma escolha bonita
Vagando como hoje - eu sei- seguirei sem pedir ou esperar
Um perdão decrépito caído no descrédito
Sorrirei outra vez calçarei minhas meias direi outra vez
Minhas meias verdades a quem não merece sequer mentiras
Amazona gueixa princesa embriaguez bailarina guerreira
Talvez eu despreze ou quem sabe possua – avidamente
Descarrego meu nexo revoluciono as conexões
Atravesso a estrábica miragem sempre em frente
Fingindo esquecer o destino e vivendo o instante
Faço do baluarte um  nada e ainda assim, o bastante
O tudo, por um instante.


Renata Rothstein








segunda-feira, 4 de junho de 2012

Passos invisíveis



Passos invisíveis na manhã sem sol
E é o gosto das guerras por lá vencidas
Nos vãos das batalhas há muito perdidas
Caminhos caminhas caminho e é só o agora
Nada mais no lá fora do meu viver denuncia
É hora de incendiar as hipócritas armadilhas
Surrealizo as pegadas pego carona no nada
Antevejo os portões e as orgias ridículas ideologias
Raptos de pensamento capengas cérebros de cimento
Só pó e somente o pó indolentes blasfêmias
No conluio pérfidas almas gêmeas pensam tramar
Todos os seus muito poucos obsoletos pactos
Ricocheteiam os dardos dados sempre falíveis
E já que é só o agora eu caminho no indisfarçavel
Invisível...caminho caminhas pelos caminhos...
Não carregue tanto peso tanto pseudo sofrimento
Abandone em algum canto seu cérebro de cimento
E assim, siga perambulando indignidades
Sorrateiras desoportunidades abrandarão o dia
Eu permaneço invisível passo vivendo
Cada vez mais leve ignoro o rapto do dia
Suma logo pois na suma visibilidade
E leve apenas como lembrança
Tua alma vazia.



Renata Rothstein

Despenhadeiros



Proximidades são tão somente despenhadeiros
Quando o desespero assola implora seu antiapelo
Trafego impiedosamente cascalhos de luar
Vacilo resvalo vago envergo minhas vastidões
Qual areia esvaindo-se no tempo contemplo
Chãos demolidos escolhidos indignados calados
Devaneios semeio na torturante luz do dia
Riem-se de mim meus não próprios "eus"
E supero suporto serena sequelas e solidão
E mesmo sem alcançar o que será - outra vez
Traço meus palmos debocho dos meus planos
Os enganos tão enganadores que dissolvem-se
Na lágrima ensaiada e explosiva que furtivamente
Insiste em escandalosamente furtar-se à testenhunhar
Calo e no calabouço da alma celebro a idílica liberdade
Ventanias cálidas nos desfiladeiros entoam canções
Despedem-se qual sol ao cair da tarde os despenhadeiros
Entardecendo aproximam-se afoitos os mesmos antigos sonhos
Apelo espero encerro ávida estranhas alucinações
Derramo no cálice da vida a vida que mostrar-se-á
Quando for embora outra vez - quem sabe de vez
A torturante náufraga em nós a noite prometida
Sibilante sedutora serena e selvagem noite
Plena e escura, que, estranhamente, clareia e traz a cura
À minha eterna sobrevivente despudorada procura.


Renata Rothstein
 

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Almas Embalsamadas




Silêncios cicios sorrateiros cios soluços
Almas embalsamadas belas malas nas mãos
Afagam o sol angélicas mãos ceifam qualquer
Delituoso desnecessário porvir - desassombro
Nos desvãos do abismo a incerteza do nada
Ser tudo e dúvidas caem da tarde fria
Arde gelidamente a partida – vazia
Dos pretéritos imperfeitos jazigos a turva transgressão
Cálida a prece e delicadamente estranho o dano
Desato choros calo gritos esforço grandezas
Torpes desatinos que ocultem a tristeza
Eu não aguardo trancada num canto qualquer
Empoeirado trancado guardando qual santa - insana
Tesouros banais e trapos ímpares inimitáveis
Disparidades irrecuperáveis singro impeço eternidades
Sangram minhas mãos enterneço impiedades
Ergo do caos qualquer lucidez enlouqueço
Traço nos destroços céus imaginários
Infinitos fim e começo - reconheço
Dos meus tropeços acerto os descaminhos 
E torno irreal o sonho que, decerto, não mais o será
Um dia.


Renata Rothstein

terça-feira, 22 de maio de 2012

O Canto dos Anjos Psicodélicos





Pólens impolutos pululam pérolas perdidas
Escadas galácticas invertidas intermináveis
Espaços passos no escuro medo o nada existe
Jogos de espelhos revejo o futuro do ontem
Inexato inexorável incipiente intransigência
Lá fora em algum inimaginado lugar luzes vagueiam
Dão lugar ao serpenteante ardil de solidões acompanhadas
Nos hospícios da vida trepidantes turbas mesclam-se a nós - e os nós
Cresce a trama inconteste dos dementes contrariados atados
Nulos e incertos acertos e erros anulo a minha incerteza
Deliro hostes desconcertadas de anjos psicodélicos
Espaços naves tempos cantos bélicos desestimulantes
Campos estranhamente floridos caminho e é você
Dentro de um outro eu verdadeiro - meu
Particípio de um novo princípio velado o antigo fim
Cremadas as glórias malsãs acordam novas manhãs
Áridos contratempos religam tão estranhamente
Quanto momentaneamente o impossível
Apressa o passo passa perece na prece prossegue
Chuvas chovem choram os rios na cheia obstinados
Insistem os rios correm transbordam engravidam a terra
Solitária.



Renata Rothstein

domingo, 13 de maio de 2012

Casas de Vidro


E eu...eu preciso tanto reviver
E só às vezes, não lembrar que esquecer
É só a face da perversa falsa indiferença
Diferente e que, ao acontecer, é breve
E a dor traz a paz fugaz tal dia que anoitece
Lágrimas enxutas e eu, radiante qual crente numa prece
Sem pressa nos campos da passageira eternidade
Sussurro minhas doces ásperas palavras ao vento
Em língua que jamais existiu
Sentindo jorrar paulatinamente a força
Sem ti - somando comigo meu abrigo
A mesma fé que, definitivamente, não tenho
Contudo vejo crescer incandescente e
Em mim o mar se afoga dialoga
Segredos há muito escondidos prossigo
A transparente nau de dóceis anseios
Aguarda o instante místico da estratégica retirada
O céu e o mar se fundem no azul de pureza maculada
Enleio elevo elejo elucidações e espargem
As lições desencontradas contadas por lendas
Fendas feridas forjadas fagulhas e felicidades
Cidades construídas em vidro - envidraçadas
Porém embaçadas - algo entre o tudo e o nada
Este que logo torna-se tudo engole o que agora é nada
Como conhecer o caminho ou a luz no fim de um túnel
Somente a loucura desafiadora presa nalguma masmorra
Ilusões... a antiga luz no fim de um misterioso túnel
E sequer chegamos à ponte e ainda não entendemos a fonte
Floresço renasço faço pactos parto antes do fim
Nas manhãs transparentes apenas a voz do vento
Um lamento exito apenas um momento
Minha alma cigana não se engana não cede
Sigo assim a andar meu sem rumo indolente
E assim finjo acreditar que caminho contente
Realejos e cartomantes e magos e sacerdotisas
Espelhos e a loucura e meu tanto nada
Continuo a lavra vã entorpecida
Não, não desisto insisto velada a lida
Encaro, pés descalços, minha ladeira
E a eterna  subida há vida
A vida.


Renata Rothstein

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Embriaguez em Netuno

                                     

Leio tateio no tempo tanto e perdido que ficou
Ao relento no movimento incansável insaciável
Serena e abissal preocupante calmaria e intento
Dedilhar vidas e violinos e noites e dias
Infindos hialinos símbolos dores e similares
Singulares frias consolações indignas de gozo
Nos muros dos caminhos de Netuno que não andei
Testemunhos assinalam erros exalam compaixão
Verdades mentiras meias verdades quem sabe
Talvez outra vez da paixão a embriaguez
Desencontrando desconstruções derramo
Meu tanto pranto já não há espanto ou encanto
Em cada canto de alma esconderijo e melodia
Andam juntos solfejam luz na pele macia
E é de novo a dor e a gula que não cicatriza
São os dias as noites os violinos as vidas dedilho
A delirante lucidez profana de um pálido reencontrar
E a santa loucura sã de uma eterna partida.

 
Renata Rothstein

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Amanhã será tudo igual...



E amanhã será tudo tão igual
O hoje o amanhã
Indiferença, afinal
Penumbras e claridades

Trôpega levito extenuada despida de mim
Sigo o desconhecido áspero caminho de volta 
Meu leme destruído meu lema não proferido e eu
Preferiria gritar o delirante saber do não se saber e evitar

Ante a multidão afoita a fonte da ironia míticos aforismos
Intermediários do mesmo princípio enregelada concessão
A súbita retomada de um capítulo fragilmente terminado
Detalhes subliminares atraem olhares trazem nas mãos

Trêmulas o holocausto casto e covardemente recusado
Pelos soberbos representantes ausentes no julgamento
Litígios e conluios e bradam adversárias transparências
E sou a louca a primeira e a última pessoa vergando espanto

Sendo muitas vezes nada de mim e assim muito mais
Tudo o todo o tolo todo o labirinto e a asfixia e sinto
Pressinto as distâncias e tudo é incerto e longe e tão perto
Tropeço. Meço meus sonhos quebro os grilhões me apresso

Dentro do inatingível a celebração do invisível é doce
E intolerante com os que buscam a cômoda inércia
Incinero obviedades sádicas dispo néscias suposições
Malas da vida prontas portões chegadas e despedidas

Tudo hoje é diferente
A indiferença, o final
A luminosidade e eu
Tudo que não quero. E o breu.

 
Renata Rothstein

Noite rara




Noite clara lua rara
Sortilégios e devassidão
Velas bruxuleantes e antes
Vício. Vivo um sonho cambaleante
Fugidio vívido qual cadente estrela
Pesadelo disfarçado de anjo brilhante
Fogos comemorações anunciam vilão e amante
Tocante dissipar do antídoto antigo ato
Desato desacato desvalido a desilusão
A lua é clara a noite enluarada tão rara
Cara a concessão das dores que um dia
Foram e hoje não passam somente
De incolores insípidos imolados amores
Hoje tão distantes que diria rumores
E eu quero -confesso - tão pouco
Tampouco divinizo o lancinante anseio
Revivo a sobriedade nos sótãos hipócritas
A santidade verdadeira é apenas metade
Do meu próprio pesar descreio
Meu grito rouco desafiante transgride
Resiste ante a anti-propriedade
Anelo fictícios laços retratos da fragilidade
Cristais exaustivamente mal disfarçados
No aço eu, o louco, encontro algum abrigo
Visível o rascunho do mapa da saudade
Outra vez o embriagante vinho do esquecimento
Sobrevivo reconheço no espelho dentro de mim
Noite rara enluarada tão clara
Caminho. Desfaço o anseio
E somente assim
Ainda serei eu, se assim for
Antes do fim.

Renata Rothstein

quarta-feira, 21 de março de 2012

Recado

Dados rolam
Deles as óbvias
Obscenidades mal disfarçadas
Desenrolam
E você que não aprende
E você que se estende
Até quando vale a dignidade
De misericórdia?
Ou seria apenas pena?
Acorde, urge, pois!
Depois já pode ser tarde
E, sim. Será. Então.
Levante-se voe ou arraste-se
Não me incomodo mais
Apenas saia daqui
Cure – ou não
Suas muitas seqüelas
Desista de utilizar sua
Vida sua mão sua já pouca
Força (?!)
Em busca de uma necessidade
Malsã e perdida
Entenda sua causa é perdida
Olhe-se pois e assuma
É hora de sumir! - pois suma
E ao sumir assuma
Riscos são bons investimentos
Principalmente para quem perde tempo
E deleite-se no inconformismo
Por não ter ainda sido
Devastador o ultraje
Você – tão apegada aos costumes
A ser nada, nada já não consegue ser
Mas...
Prossiga. A vida, velha e sábia
E muito observadora e exigente
Ainda espera muito de você
Aceite o que é e não implore
Aos céus aquilo que jamais
Digo, jamais – poderá ser
Implore para apenas ser e assim
Seja feliz seja mais seja apenas
E seja tanto - você!


Renata Rothstein

Apelo ao Tempo




Apelo ao tempo
Preciso vê-lo
Por todo caminho
Tê-lo apressada
E, no entanto
Sem atropelo
Releio cada segundo
Em busca de qualquer
Estudada oportunidade
Ou sorte, quem sabe
Indizível é e dolorida
Chegada amanhecida
Dentro da noite
Dama sempre desconhecida
E só a desejável solidão
Tão longa e conveniente
Insanidade premente
Sempre surgindo
Inesperadamente
Fantoches do destino
Desatinos... 
Nos labirintos da corte
Rei e plebéia
Servo e rainha
Rascunham planos
Rendem-se todos
À sua própria natureza
Torpe e sórdida
Vítimas tolas inocentes
Do bobo da corte
Silencie
Comédias tornam-se dramas
Ao engenhoso autor
Personagens de argila
Armam-se vis e anseiam
Delineiam ardis
Somente amam – e é nada
Máscaras fisionômicas reais
Ocultam a conhecida imagem
Simbólicas viagens
Tragam no limbo miragens
E eu, velo por ti
A ti todo meu zelo
Silêncio e o elo
Caminhos paralelos
Nenhuma resposta ao não apelo
A meta é consciente
Toda inconseqüente
Insistente é tola
Vagueiam entre os plátanos
As almas dos esconjurados
Observam cínica e passivamente
A ladra desalmada
E tão conspiradora rotina
Repito, grito, imploro
Preciso somente vê-lo
Juramento e apelo
Inútil inglória insana inerte
Toda algema auto adquirida
Jaz, perdida no seu dever
Liberta, pois, ao invés de prender
Caminho e por entre as pedras
Ignoro conceitos concretos e muros
Construo no abstrato retratos
Apenas e tanto para te rever
Espelhos do passado
Derramam lágrimas ante
A total inutilidade
Intransformável, hoje
Sempre, o indestrutível amor
Lacônica breve simples realidade
Estrelas decaem - tal lágrimas
Furtivas lágrimas de sublimidade
Inexiste a proximidade...
Prossigo e dentro de mim
Segue, comigo, viva
(Algo que já não consigo)
A dor inexprimível
Dilacerante e inalcançável
De uma imensa eterna saudade


Renata Rothstein

A Bailarina que dançava no Telhado (Infantil)

A bailarina menina
Menina bailarina
Bailando no telhado
Com seus bonequinhos de lã
O mágico e incrível bailado
Do Ballet da Avelã!
Dando uma pirueta
Ela salta para o lado
Na pontinha dos pés
Glissade tutu bem rodado
Linda menina bailarina
Rodopiando pelo telhado
A plateia é a Dona Lua
Redonda igual a um prato!
As estrelas muito brilhantes
E ainda, miando, o Senhor Gato
A bailarina bailando
E a plateia aplaudindo
A bailarina que dançava
Sorridente, pelo telhado
Ou seria mesmo um palco?
Lindo palco da bailarina
Linda menina divina
Divina menina bailarina
Plié, elevé, eu aprendo
Repito então com você!
Um grand jeté, bailarina
Você chega lá na China!
Relevé, quero te ver
Bailando na Argentina!
Fouetté eu também já fiz
Dançando lá em Paris!
E segue a doce cantiga
En avant doce bailarina
Minha Avelã Ballerina
Menina Encantada Bailarina
Toda de cor de rosa
Rosado sonho encantado
O sonho da bailarina
Rodopiando no telhado
Suave...um contratempo
E é o céu estrelado
O seu espelho encantado
O palco é o antigo telhado
Majestoso e dedicado!
Dança para sempre
Princesinha Bailarina
Tendo sempre na plateia
O amigo Senhor Gato
As estrelas cintilantes
E a senhora Dona Lua
Redonda...igual a um prato!
Plié, elevé, en dehors, en dedans
Baila, baila, no telhado
O Ballet da Avelã!
E o seu corpo de baile
São seus bonequinhos de lã!
Sonha, minha menina
Seu sonho de bailarina
"Boa noite, Senhor Gato!
Até amanhã, Dona Lua!
Obrigada, amigas estrelas
Fiquei muito feliz em vê-las!"
Sonhe com lindas sapatilhas
Dance alegre pelos telhados
Bailando até amanhã
O Doce Ballet da Avelã
Ensaiando o corpo de baile
Seus velhos bonequinhos de lã
Rodopie na ponta dos pés
Do telhado até a Lua
No Ballet da Avelã
Quando adormece, flutua...
Linda, doce menina
Ballerina da Avelã
Durma, descanse, agora
E acorde feliz pela manhã!

Poesia feita para todas as meninas bailarinas que conheço, para as que não conheço também!...dedicada especialmente à mais linda bailarina - minha filha Clara!

Renata Rothstein

domingo, 18 de março de 2012

O Peste ( Com carinho a todos os pestes!)

Sabedor de sua influência, gingado e malemolência
Vem o distinto cretino já enchendo a paciência
Domingo, segunda ou sexta, pois p'ra ele tanto faz
Só quer arranjar uma presa que o ature se for capaz
Peste de miolo mole... juízo não deu sinal
Agora segue insistindo o mala, amolando até o final!
Ele vem e permanece como quem vai infernizar
E a gente é que padece, pois nem o diabo o quer aturar
Adivinha como e por onde o desastre iniciar
E também - intuição de peste - por onde terminar!
Se existe algo que abomino é estar curtindo o domingo
E o "bom" peste surgir, do nada, visando minha paz tirar
Desgosto já deu, só de olhar! minha pobre samambaia!
Dela, o que será?!
Ainda por cima o peste tem um olho ruim de matar!
De tanto lidar com o tipo foi que procurei estudar
De onde e como eles vem, a que vem e principalmente
A pergunta que não quer calar:
Por que, Meu Pai do Céu, é que tal criatura existirá?
Talvez seja "coisa mandada" - comigo nem vem que não tem!
Saio correndo, a cavalo, ou fujo no primeiro trem!
Embora meio bizarro, é coisa que me faz meditar
Algo tão inexplicável, que faz algo existir, somente p'ra chatear
Não é coisinha tão simples que qualquer um pode alcançar!
No entanto, para meu espanto, a peste insiste, persiste
Não deixa de atormentar, basta encontrar um incauto
Para tudo recomeçar e sedenta, pensando que a gente
Ainda aguenta, não cessa de apoquentar
Segundo a pestologia, ciência humana e social - e mal paga
Baseada em experimentos com mostras de peste tipo I
Procriam-se em profusão, chateiam os inocentes
Adoram andar em bando de "não agradáveis" criando
Só confusão!
Não podem ver ninguém quieto que já pensam
No abjeto: " Oba!Já arrumei diversão!"
Qual seria o momento mais certo, haverá momento correto
Para o sujeito peste um desavisado atormentar?
Este é um grande mistério para o qual resposta não há
Aquele que descobrir, venha a público contar!
O peste, geralmente, além de sempre inconveniente
Normalmente é um ser que não pode levantar o sovaco
Sem que com isso derrube - de uma só vez! - uns três
Ou quatro!
Fica aqui só um adendo: ainda passeiam fedendo
Usam a sua roupa sua casa e a comida sempre acham pouco
E não estava tão boa assim! - mas só dizem isso depois do fim
Eu que não me engano, despacho bem rápido o peste
Ou perco toda a paciência e cometo pesticídio
Esgano eu mesma o peste e livro o mundo de um suplício!


Observação: Esta é uma obra de ficção, porém, qualquer semelhança com pessoas ou fatos da vida real, foi PROPOSITAL, mesmo!


Renata Rothstein

Passageira de mim

Ouvir no silêncio o impossível
Retorno das mesmas ondas
Em tão diferentes mares
Irrepreensível
Imaginados incriados insólitos
Insana é a lida e tudo é tão, tão só
E tudo é tão bonito e sei, nada engana
Passageira de mim flutuo e sigo
No anzol da vida a situação extrema
Tão incerto e belo e puro - tão crível
Incrível é crer na balada devastadora
Balada barata beligerante barganha
Canto glorioso de uma derrotada solidão
Navios piratas que, indesejáveis
Chegam diuturnamente ao cais
Meu cais esconderijo tão fugaz
Passageiro ilusório contudo necessário
Devaneios do sonho perjurado
Não torne, pois, a sonhar jamais
Abrace o resto de realidade
Mantenha intacta a dignidade
Aviste do cais da saudade
Estrelas cadentes presentes
Tão desejáveis embora decadentes
Latejam febrilmente o absurdo
Do que não diz adeus, segue, em frente
E é tão incansável e premente o apelo
Perfusão de sentimento crescente e zelo
Dolorosa disjunção desatino do destino
Permaneça o sentido permaneceremos sentindo
Tudo aquilo e creio ter sido qualquer delírio
Algo que nunca esteve e já ficou para trás
Então se assim é e se assim pode parecer
Deixe seguir procure esquecer abra a cortina
Abstraia traia atraia o trago pérfido e derradeiro
Minutos dias meses anos infinitos inteiros
Somente para acompanhar definitivamente
O Sol e só, e só assim entender que - mistério
Quase sempre no início compreende-se - enfim
O inexistente fim.


Renata Rothstein

Adeus à noite escura



Traço o espaço
Sibilantes enlaces
Desestabilizo e refaço
O quanto de verdade
Existe no passo
Nem sempre fácil
Passado ultra
Ultrapassado e era
Simplesmente partir
Adiar a partida
Parte da medida
Temida e insistente
Praticante do irrealizável
Nada razoável
Místicas agonizantes
Cavalariços fantasmas
Cios temporais sussurros
Vigias de mágicos pórticos
Contemplam ampulhetas
Contando os preciosos
Instantes...
Raros azuis diamantes
Sem pressa cumpro
Meu plano e cada promessa
Calada a tolice incômoda
Incomoda a comodidade
Tão viva quanto as flores
Lindas porém já colhidas
Tolhidas...
Expressa explosões explícitas
Horizontes boreais
Esvanecendo boatos
De um divino motivo
E sem palavras tudo é
E é nada - apenas
Nuas almas náufragas
De um sonho que então havia
Dementes monotonias
Raia outra vez
O insistente dia
Finda a procura
Incertezas e seus poucos
Muitos sentidos
Cerrados os olhos aguardam
Aos apavorados olhares
Cerram-se - somente
À espera da cura
Abraço o radiante dia
Despeço, para sempre
A longa noite escura.


Renata Rothstein

segunda-feira, 5 de março de 2012

Zé Ninguém

A gente é somente e tanto
Aquilo que a gente é
Alguns nasceram homem
Outros nasceram mulher
Até existe o que ainda
Não se sabe bem o que é
Meus cumprimentos a todos
Filhos de um mesmo Pai
E quem se contrariar disso
É bom que não diga um “ai”
Ninguém pode aspirar ser José
Ainda que se agarre à fé
Quando já se nasce um Zé
Tolice sustentar o inadiável
Mesmo em face do despeito
Folguedo do invejoso alheio
Todo mundo merece respeito
Nem que seja pelo meio!
E não por isso rebele-se o tolo
Ninguém dá o que não tem
Então não me cobre nada
Dê cada um o próprio “não tem”
Vexame é de quem faz palhaçada
Se avexe não, pois, com isso
Derrube a oposição à pedrada!
Seja tudo seja nada seja o todo
Só não seja na patuscada um grande
Imenso tolo bolo de bobo de nada
É tudo parte do jogo e já que
Em jogo eu não perco um vintém
Eu fico mesmo é na minha
Já sou mesmo um Zé Ninguém!
E eu que não me interesso
Quase sempre por nada disso
Disparo sem compromisso
A minha humilde indignação
É como o velho ditado
Aquele em que se dizia
Conselho coisa boa fosse
Não se dava, se vendia!
A quem me deu atenção
Desejo muito bom dia
Foi tudo de coração
E nada de picardia!
Vixe, mas não é se que dizia
Assim mui discretamente
Quem disse é confiável
A verdade é que ela ardia
Mas esse já é um assunto
Que fica p'ra outro dia!

Renata Rothstein

domingo, 4 de março de 2012

Memórias




Sigo. Talvez...Um dia?
Não preciso entender para sentir
Porém são os sentidos traiçoeiros
Sei e isso já não é o suficiente
E para onde vão as memórias
Quando até mesmo elas – doces companheiras
São retiradas abrupta e absurdamente
De nós, dentro dos indigestos nós
Permanecendo insistentes em qualquer vão
Em vão suspiro insisto deliro fatalidades
Retiro-me de mim mesmo cínica assisto
Depreendo insólitas antigas verdades
Tão carinhosamente rememoradas
E sempre excessivamente lembradas
Para que nunca sejam esquecidas?
Ironia é a arte mais constante da vida
Talvez seja o constante relembrar
O que faz justamente com que ela
Seja eternamente esquecida
Inclemente desejada doce e cruel
As portas cerradas não impedem, contudo
A invasão de tudo que está - imperceptível
Suscetível serenamente gritando em sonhos
As lacunas de estrelas esquecidas ainda
Brilhando morrendo e revivendo...sendo
Pouco a pouco num leito esquecido
Deito deixo divago desato desenganos
Espectros me cercam e a escuridão
Faz-se dia em mim e quase tudo ilumina
São assim as lembranças esquecidas
Porém quando até isto nos é tirado
Para onde vão os momentos passados
Passados ainda tão presentes
Sem volta?
Eu sigo!
Talvez...
Renata Rothstein

Renata

"Renata é a pronúncia do eco da tinta pingada sobre a pérola" (Eriko Alvym) Sou Renata, sou dilema, uma certeza feita de fogo aveludado e céus tremulantes. Um dia quis entrar, o pensamento não tinha porta, era pelos matagais que se entrava, formigas tiranossauras comandavam o ambiente, achei que a festa era boa, deu nisso, poesia? Uma sonata dedicada a um luar todo blues. Eu vim. Minhas armas tiro do brilho do olhar, e cortam, o sangue da palavra é um chocolate elétrico, assim como coloca-se ossos na perna do pirata tirados da estrela encharcada, a última alegoria poética é uma novidade que nem em cemitério se encontra, por isso estou dois passos na frente. Sou Renata, meu verso é feito de profanação e verbo divino, meu andar prescinde de carruagem, pois conheço a música pela sola do pé, nada me alimenta mais do que a desordem aparente, o pão da luz é um grão do céu, por quê deveria me contentar com o pobre cogumelo?
RENATA ROTHSTEIN

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Deslize devagar...

Deslize devagar teus lábios doces e quentes
E quentes e tão querentes de mim quanto sou
De ti na vontade de arder na volúpia e somente ser
Sou tua tão nua quanto esta cheia lua cúmplice testemunha
Gemer no apelo mais louco vivo viciante e derradeiro
Sentindo em mim o teu hálito tão quente e doce e sensual
Corpo delirantamente febril cobrando inclemente
Em mim tão meu tão seu tão nossos corpos simplesmente
E os teus lábios tão quentes que derretem minha pele
Impelem ao delírio do qual não quero nunca escapar
E cante uma bela canção de amor faça comigo o mais
Lindo e definitivo Amor - faça - e eu que toda me doo
Dou a ti o meu amor sou o teu amor seja em mim
Teu endereço não tenha pressa esqueça eu esqueço
E avanço no tempo e me perco no espaço no teu braço
O laço mais perfeito teu corpo meu delicioso algoz
Infinitos criados no intenso aflito desesperado abraço
Simplesmente sou e intensamente sendo toda te sinto
Tão inteiramente dentro permanente arde em mim
Suando histórias contadas vividas antes de existir
Sopre em meu coração o teu hálito quente e doce
Rasgue minha pele despiste rumores agite eu coro
E quero e peço exijo sem pudores responda aos meus anseios
E me dê prazeres e me encha de dores de muitas cores
Sou então sua rainha e sendo rainha sou teu mais caro
Objeto faço de ti o meu cetro meu homem certo
Seja sempre e totalmente meu responda rápido venha
Ao primeiro chamado meu avance meu homem rei e senhor
Te adoro te amo te reconheço pelo cheiro te chamo
Te reconheço pelo zelo saboreio e clamo tua boca
Selvagem e doce me faça mulher me faça querer me faça
Ter a força suave que dá e recebe e suga e serpenteia
E incessantemente busca urge te reencontrar
Outra vez nos teus braços me perder e para sempre
Nos teus braços me fazer mulher e neles acordar
Para outra vez infinitamente conhecer o prazer
E outra vez e outra vez...
Inteiramente te amar.

Renata Rothstein

Revolta

Saudade repúdio dó asco indignação
Até quando arrastar-se-ão os pérfidos
Delirantes tarefeiros da desova do mal
Objetos abjetos objetivos traçados
Em mal traçados desastrados planos
Nas quermesses fantasmagóricas alegorias
Máscaras disfarçam a falsa dor e a falsa alegria
Tudo quanto exala é nada e a verdade fala
A verdade grita nas profundezas do silêncio
Pisam açoitam decaem sombreiam o dia
Nas difusas messes perjuram inconsciências
Celebram saltando no abismo da demência
Toda a sua decisão pelo desastrado crime
Abissal a corte os aguarda rondando como
Cão raivoso que os degreda e fere e corta
Degradante seol afastem-se logo de si mesmos
Porque já não vos pertence o ouro que
Ontem brilhava iludia corpos vendidos
Almas perdidas nunca mais horizontes
Não se espante há aos olhares tolos
Luxo de areia castelo que bruxuleia
Nas areias que voam ao vento
Nos momentos que vão com o tempo
As areias movediças finalmente engolem
Degolados insignificantes insignificados
Rumo ao destino siga então decida
Não se apresse não decida agora
Qual é seu preço? Diga seu preço, agora
Derrame sua frágil maldade sem alarde
Torture-se pois defronte ao espelho
Mais tarde mas é tarde quem sabe
Um dia dobre - ou não - seus joelhos
Ridícula sua alma em inanição
Sepulcral afinal seu ato final
Assine com louvor sua derrota
Sua pena - testemunha de um erro sem volta
Revolta.

Dura Lex Sed Lex. Será mesmo?
Renata Rothstein

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Ser poeta...





O que é afinal um poeta além de um ser que decifra enigmas
Misteriosas  imagens canções luares amores e saudades
Sons métricas rimas e muitas confusões, alguém que apenas
Reflete segue sonha espera divaga sente. Sente muito... e chora?
E ri uma esquizofrenia sã e controlada manipulando mãos e idéias
Papéis reflexões desatenções misérias felicidades e somos
Aplausos e pedradas safanões e bordoadas carícias vida afora
Escrevo sobre a vida, vidas sonhadas vividas sempre vívidas
Dentro de mim um pouco de tudo aquilo que sei ou imagino
Aquilo que certamente conhecerei, aquilo que não será nunca
Nada além dos sonhos meus ou pesadelos de qualquer um
Escrevo sobre alegrias que vivi e sobre dores que não senti
Minhas palavras são explícitas atrevidas vagam na minha mente
Como quem fala verdades e como quem às vezes mente
Falo sobre o cálido e o gélido sobre a dor e o amor
Encontros e despedidas chegadas e tantas partidas
Nem sempre o mais puro retrato da grande verdade
Mas sempre  fragmentos da vida - incansavelmente
Tímida febril ardente despudorada insana maravilhosa
Vida


Renata Rothstein

Choro

Tão longe agora
E é só o choro
Lá fora e caso não fora
A hora correria agora
Ao seu encontro
Perdida nos becos
Da minha pobre própria
História insana memória
E se demora tanto
Demora demole tolhe
Meu corpo esfacelando
Tudo além da medida
Sem você aqui
Sou tão somente
Lembrança de algo
Passado distante
Tudo de repente
Você vai e leva
Meu tudo, assim
Procuro nas estradas
Algo que possuo
E por qualquer despropósito
Perdeu-se de mim
Do meu domínio
Percebo no febril agito
Ser tarde – será mesmo?
Muito tarde agora
Aqui, enquanto agonizo
Árvores continuam florindo
Lá fora
Há ainda entes sorrindo
Porém aqui nesta sala
Há só um ser
Um corpo que fala
Sorri e comemora
Um corpo sem alma
Uma alma que conformada
Simplesmente aguarda e chora.


Renata Rothstein

Distâncias

Levante-se e siga
Não será daqui a qualquer tempo
Mais do que (mais um) retrato empoeirado
Na estante baú dos meus instantes
Sei que sou louco
Talvez  pouco para dizer
E sei sou fraco o suficiente para sucumbir
E forte o bastante para superar um fim
O fim
Siga vamos levante-se não vacile
Agora veja há luz lá fora
Torne mais fácil menos irritante este
Todo já pretérito perfeito
Distante
E dispa-se de mim de uma vez
Da mesma forma que dia após dia
Eu vestia você de vez dentro de mim
Como cenas de um execrável folhetim
Recorra escorra nos sentidos perdidos
Toda e qualquer folha guardada
Sua caixinha de jóias bijouterias
Mesquinharias que já não valem nada
Ainda sou eu o mesmo e é o que temo
Serei ainda aquele que teimo
Meu próprio não olhar insiste em procurar
Você num vão qualquer dentro de você
Ou de mim tão longe e tão perto
Desperto não há solução decerto
Sangro minhas mãos e rasgo tudo
Tudo que faça lembrar então vá!
Suma assuma risque em mim sua visão
Porque dentro de mim é você a eterna razão
Nem sempre finais são felizes
Muitas vezes não temos finais
Contento-me apenas com os poucos sinais
E tento e prossigo e esqueço um pouco do dia
Mais uma e conto nos dedos histórias
As histórias que tenho para guardar
Dia lindo vazio maravilhoso e inútil
Um dia...nada além de um dia
Em que resolvi te amar.


Renata Rothstein

Despertar no Exílio

Disfarço meu caminhar cheio de segredos
E avante sigo piso cada palmo imenso degredo
Indômita persigo meu auto exílio enquanto
Aguardo heróico auxílio desisto de fugir já
Mundos paralelos pesadelos desproporcionais
Difusos órgãos de idolatria mística a hipocrisia
Desaproximando atos inaptos os anti-finais
Quando  mais concorridas são burlescas figuras
Desencantando a antífona toda malsã alheia
Mérito ao guerreiro e à sua invisível capa
Dentro da queda da demolidora guarda
Traga e mantenha consigo a chama guardiã
Celebre antes de futuro novamente
Viva esse passado que insiste em se manter
Presente e somente na presença dos deuses
Armam-se vinganças pactos esperanças
Vão é perfilar-se esperar do sumo sacerdote
Qualquer indelével favorável decisão – que virá
Forjo então na estopa meu traje cerimonial
Antes que tenha início cicatrizemos as ilusões
Ritual e coragem e pavor e passagem
A massa tribal habitante tão daqui mesmo
Executa o canto único e definitivo claustrofóbico
No espanto implanta-se a histérica soberania
Eu convencida pois da minha invencibilidade
Reúno meus tesouros ciganos deixo cair o pano
Demoradamente avalio cada infindável segundo
Sinto que já não sobrevivo ou ao menos se o que
Penso ser um grito perdido fica longe menos aflito
Dono do espaço infinito pressinto a proximidade
Justo na lágrima que insiste em vergonhosamente
Cair e trazer e levar consigo o erro e voltar atrás
Lá reside a imensa força de toda fragilidade
Respiro vislumbro na aurora caminhos que
Não obstante toda a dor de cabeça erguida eu percorria
Sorrio. ‘Audi nos’ avança para mim a turba
Tempo testemunha sempre muito tão confiável
Ainda de pé não me prostro o único terrível claustro
É então minha própria talvez falível égide mente
Somente confio rezo aguardo pelo despertar
Acordo criança para reencontrar o começo
Recomeçando o que virá do ilusório fim
Ansiosa espero interdimensionais decisões
Explosões tratados combates – a calmaria
Inúmeros descaminhos, dentro de mim.




Renata Rothstein